Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



28
Out19

"Huis Clos"

por Patrícia Fragoso

 

Aparências. Luxo. Quem não gosta?

Anda bem aparecido, bem montado, tem sempre um “sim, aceito” como resposta.

Passa na rua como senhor, fatinho e todo emperuado. A linguagem é sempre bastante cuidada, com palavreado caro e muita classe à mistura.

No final do dia, deposita cuidadosamente a chave do seu carro e as suas roupas, sem muito cuidado para não vincar e eis que chega ao seu lar.

Doce lar.

Onde existe a escrava da mulher. Essa que tem dois full times. 16 horas a trabalhar. Depois do seu trabalho, vêm as 8 horas em casa, a tratar de passar minuciosamente a camisa do marido, a cozinhar para que lhe seja saciada a fome que tanto trazia da rua, a limpar o pó devido às alergias do seu esposo, entre variadíssimas tarefas.

A tarefa dele começa mal mete o pé do seu prezado sapato dentro de casa. Bebe. Como se não houvesse amanhã.

Enquanto ela trabalha, se cansa em prol do seu bem-estar, ele bebe.

Podia ser água ou até daqueles sumos naturais que ela tanto gosta de lhe fazer, mas não. Um homem a sério gosta de álcool. Álcool a sério!

Ele não trabalha ao fim de semana, um empresário, bem-posto, nunca trabalha ao fim de semana.  

Já a mulher, não sabe sequer a etimologia da palavra Folga. Mesmo que não esteja no seu dito local de trabalho, a sua própria casa é um emprego sem descanso. Ela esforça-se ao máximo para não desiludir o patrão.

Patrão esse que, se algo não lhe agrada depois dos ditos “copos”, pega no seu instrumento mais poderoso e utiliza-o contra ela. Não é a sua mão, nem o cinto que ainda não tirou desde que chegou do emprego. Ele vai ao fundinho do seu vocabulário mesquinho e começa a debitar nomes que nem no dicionário mais rasca parecem existir.

Ele considera-a a sua serva, para todo o serviço. Casou porque a mãe já não está presente e, essa sim, tudo lhe fazia de livre vontade. Mãe é mãe e tudo faz para apaparicar os seus descendentes, sem obrigação, sem pressão.

Ele não aprendeu bem com a sua mãe o que significa ter respeito pelo próximo, mesmo que esse habite na nossa própria casa.

Ele é egoísta e não sabe que as palavras a esmagam, que destroem a sua autoestima. Ele só sabe o que é o amor, porque tem amor-próprio.

Perante os de fora, ele é o maior. Bem-visto, com um bom estatuto, homem de negócios, homem de poder.

É dentro daquele espaço confinado a quatro paredes que se revela e onde tenta afirmar quem manda. E ela... ela passa a vida naquela dança do vai/não vai, sujeitando-se ao que o dia-a-dia lhe deu, cheia de medo. Medo de que um dia as palavras passem a ações, medo que um dia tudo termine. Medo de que um dia o medo termine com ela.


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.



Mais sobre mim

foto do autor


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Mensagens

Arquivo

  1. 2021
  2. JAN
  3. FEV
  4. MAR
  5. ABR
  6. MAI
  7. JUN
  8. JUL
  9. AGO
  10. SET
  11. OUT
  12. NOV
  13. DEZ
  14. 2020
  15. JAN
  16. FEV
  17. MAR
  18. ABR
  19. MAI
  20. JUN
  21. JUL
  22. AGO
  23. SET
  24. OUT
  25. NOV
  26. DEZ
  27. 2019
  28. JAN
  29. FEV
  30. MAR
  31. ABR
  32. MAI
  33. JUN
  34. JUL
  35. AGO
  36. SET
  37. OUT
  38. NOV
  39. DEZ